quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

360graus: "Presente de Natal - Quão felizes éramos!" de Ena Galvão

www.correiobraziliense.com.br
Para ler, clique sobre a imagem com o CTRL pressionado

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

360graus: "Só depois da Missa do Galo" por Arlete Sylvia Mendes

www.correiobraziliense.com.br
Para ler, clique sobre a imagem com o CTRL pressionado

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

360graus: "Soneto de Natal" por Alan Viggiano

www.correiobraziliense.com.br
Para ler, clique sobre a imagem com o CTRL pressionado

domingo, 27 de dezembro de 2015

360graus: "Natal, fim de ano e a vida continua..." por Murilo Moreira Veras

www.correiobraziliense.com.br
Para ler, clique sobre a imagem com o CTRL pressionado

sábado, 26 de dezembro de 2015

360graus: "Lembranças de Natal" por Nina Tubino

www.correiobraziliense.com.br
Para ler, clique sobre a imagem com o CTRL pressionado

quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

360graus: "O Jingle Bells de minha infância" por Jane Godoy

www.correiobraziliense.com.br
Para ler, clique sobre a imagem com o CTRL pressionado

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Fotos da posse do José Carlos Gentili

A Academia de Ciências de Lisboa deu posse ao Acadêmico Correspondente professor José Carlos Gentili, presidente da Academia de Letras de Brasília. A sessão foi realizada no Plenário Acadêmico, sob a presidência do escritor Luís Antônio Aires Barros. Falaram dois oradores: acadêmico João Malaca Casteleiro, saudando o novo acadêmico José Carlos Gentili. Este pronunciou um discurso de agradecimento, falando de seus propósitos de trabalho e filosofia acadêmica.

Uma delegação de 12 escritores brasilienses compareceu ao evento. 

Num dos pontos de sua saudação, o escritor lusitano Malaca Casteleiro disse: "Temos hoje o grato prazer de dar as boas vindas ao ilustre intelectual brasileiro José Carlos Gentili, romancista, poeta, historiador e ensaísta, que a nossa Academia elegeu em abril deste ano como sócio correspondente da Classe de Letras. Constitui, pois, para nós uma grande honra receber nesta centenária Academia como confrade esta ímpar personalidade, que desde a fundação de Brasília, há pouco mais de meio século, tanto tem contribuído para a afirmação e desenvolvimento da nova Capital do grande país irmão. De entre os comentários encomiásticos sobre a sua obra literária merece especial referência a opinião de um ilustre membro da Academia Brasileira de Letras, Murilo Melo Filho. José Carlos Gentili combina exemplarmente as qualidades de homem de ação com as de homem de pensamento." 

Noutro momento, o novo acadêmico, José Carlos Gentili, participou, na mesma Academia de Ciências de Lisboa, do Colóquio Luso-Brasileiro, sobre "As raízes medievais do Brasil Moderno", tratando das "Relações Culturais Luso-Brasileiras".
 



 

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

AVE! GENTILI, APASCENTADOR

por Murilo Moreira Veras

Homem nobre em nobre nome:
José Carlos Gentili,
José – de Gizé piramidal,
de hebraica hostes, salomônica
                         linhagem
até José, esposo da virgínica Maria,
pai de Jeshuas, o Crístico
e
Carlos – de carolínea origem
dos carolíngios, nobres e reis
de dinásticas orbes,
enfático, enérgico tal coriolano
                          vértice,
de clássicas vestes, romanas togas
                          senatoriais
e
Gentili – da Pistoia Toscana,
apóstolo argentum de Michel Ângelo,
o afago de Giulia, de Gemma
e da principesca Genovina.
Ei-lo – o escritor polifônico
do verso e do reverso,
íntimo das prazerosas letícias,
dos arquipélagos galácticos,
dos estelares caminhos
– tudo em acadêmico olhar,
história e poesia em seu partilhar
                            humano,
da infernal hifenização
à busca do ouro da razão.
Ecce Homo – o nosso homem de letras,
das gentílicas esferas:
amigo, literato, co-copartícipe,
acadêmico conciliar
José Carlos Gentili, visionário.
Ave! José,
Ave! Carlos
Ave! Gentili
– o apascentador de sonhos.

                                          Bsb, 16.12.15


"Caríssimo confrade Murilo,
fundador vivente desta Casa de Cultura.

Na noite do dia 16 do corrente, Marilene e eu, abrimos as portas de nosso recanto de viver, para receber os partícipes da comitiva que se deslocou para Portugal, quando no dia 29 de novembro pretérito, fui empossado na Academia das Ciências de Lisboa.

Esperávamos  o retorno do confrade Iran de Lima, que se encontrava na Bélgica, para agradecer  a presença de significativo grupo de acadêmicos, que para lá se deslocou,  fato inimaginável para mim.

Nesta singela reunião de júbilo, Murilo Moreira Veras, decano e um dos fundadores da entidade,ofertou-nos um poema, intitulado Ave! Gentili apascentador, acima descrito.

Publicamente, desejo agradecer ao poeta autor a mensagem recebida, eivada de forte mensagem esotérica e comportamental. 

Ave Murilo! Nossos agradecimentos!

Cordialmente
José Carlos Gentili"

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

O Dia de Natal

por Innocêncio Viégas

MÃE, POR QUE O SOL NASCEU MAIS CEDO HOJE?
POR QUE O VENTO ESTÁ CALMO E SONOLENTO?
QUE ALEGRIA É ESSA DOS PÁSSAROS QUE ENCHEM
O MUNDO COM LINDA SINFONIA?
OS RIOS ESTÃO QUASE PARADOS MÃE! O MAR SEM ONDAS!
AS NUVENS NÃO SE MODIFICAM NA IMENSIDÃO DO ESPAÇO!
MÃE, OS GALOS CANTAM REPETIDAMENTE COMO ANUNCIANDO ALGO INTERESSANTE!
ONDE ESTAMOS MÃE?
QUE CASA É ESTA?
PAI, QUE FAZEM AQUI ESTES ANIMAIS?
ESTÃO ME OLHANDO PAI! ESTOU COM MEDO!
FILHO QUERIDO NÃO TENHAS MEDO. ESTOU AQUI CONTIGO!
O SOL NASCEU MAIS CEDO HOJE PARA ILUMINAR OS CAMINHOS
DOS HOMENS QUE TE SEGUIRÃO.
O VENTO MESMO CALMO, EMBALA TEUS SONHOS PARA QUE VIVAS
EM PAZ COM TEUS IRMÃOS.
OS PÁSSAROS, ESSES ALEGRAM O TEU DIA INESQUECÍVEL!
OS RIOS E OS MARES SABEM QUE OS HOMENS PRECISAM
TE ENCONTRAR MAIS CEDO.
AS NUVENS ADORNAM OS CÉUS PARA ENGALANAR TEU REINO.
OS GALOS, TEUS AMIGOS, ACORDAM O MUNDO PARA QUE TE
LOUVE E AGRADEÇA.
ESTA CASA NÃO É NOSSA. ELA PERTENCE A ESTES ANIMAIS QUE
TE ADORAM COM TODA MUDEZ.
TUA MÃE E EU, VELAMOS POR TEU SONO.
MÃE, FALA COMIGO! QUEM SOU EU? QUE DIA É HOJE?
FILHO TU NASCESTE HOJE, TU ÉS JESUS, O CRISTO SALVADOR DO MUNDO.
HOJE É TEU DIA FILHO! DIA QUE SERÁ COMEMORADO POR TODOS
OS TEUS SEGUIDORES E SERÁ CHAMADO, O DIA DE NATAL!
QUE EM TODOS OS LUGARES DO MUNDO ESSE GRITO
SEJA OUVIDO, COM TODA ALEGRIA E MUITO AMOR.
FELIZ NATAL FILHO!
FELIZ NATAL JESUS!

FELIZ NATAL

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

O COMPRADOR DE MENTIRAS: ALEGORIA OU SÁTIRA ATUAL?


Murilo Moreira Veras


Evaldo Feitosa, bacharel em Direito e Oficial de Cartório, membro da Academia de Letras de Brasília escreveu um romance, ou novela, sob o título “O Comprador de Mentiras”. O autor, na sua modéstia, publica-o como um simples romance, mas, na realidade, é muito mais que uma história ou estória. O que faz desse livro ter sua temática tão urgente e atual, no nosso entender? A coincidência da atualidade de seu enredo, a aplicabilidade da alegoria ou sátira ao nosso tempo, ao nosso meio, à nossa circunstância. Talvez dentro do contexto Ortega y Gasset de “eu sou eu e a circunstância” – o argumento mendaciano cabendo como uma luva no pantagruélico terreno da circunstância brasileira.
Antes de ser um comentário qualquer,  as presentes impressões objetivam fazer jus à obra do autor, seu trabalho e sobretudo sobrelevar as  pesquisas que empreendeu na elaboração de seu romance/novela.
Atentamos para dois itens principais no livro do autor: seu desenvolvimento e sua exegese.
O primeiro aspecto é seu enredo, a trama, o desenrolar da estória ou história, como o autor expõe sua obra inventiva, aspecto esse que implica o âmago do acontecer, a engenhosidade. E é de ver-se que o fio da meada neste “O Comprador de Mentiras” é singular, podemos até assegurar propedêutico por propor ensinamentos. Se, em tese, consideramos o livro uma alegoria, cediça a uma sátira, seu enredo parece-nos exemplar, com todos os requisitos ali expressos: o jocoso, o engodo com todos os trapaceiros, a surpresa final. E como sátira – que também o é – os elementos de transposição do imitatio para o terreno da realidade. Há uma ocorrência inusitada na cidade (qualquer cidade) em que um indivíduo, então desconhecido, anuncia ostensivamente que compra mentiras. Seus habitantes logo se habilitam e assim, diante do comprador incógnito, desfilam os diversos representantes daquela sociedade, o advogado, o padre, o pastor, o político, o médico, o cabeleireiro, a prostituta e o comendador. O pagamento oferecido é feito mediante apuração em  “estrovenga” tecnológica, o candidato vende suas mentiras, o computador de última geração avalia e computa e o comprador, sempre incógnito, de quem só se ouve a voz metálica, paga in cash, na hora, o beneficiado sai satisfeito, bem pago, ou insatisfeito, mal pago. O advogado com suas mentiras jurídicas justifica a processualísticas que faz do direito uma alquimia.   O político sai de certo modo ínclito, suas mentiras se equalizam com a sociedade, que o elegeu. Os religiosos, Padre e Pastor, têm suas mentiras empatadas, porque mentem em benefício do Reino, desde que não se locupletem vendendo a fé que praticam, no fim acabam se igualando e tornam-se até amigos. O cabeleireiro vende suas inverdades, mas proíbe a fofoca, no seu salão, para não competir com seus adversários, mantendo-se ileso. O médico, cujo nome é Acérrimo, suas mentiras são humanitárias, por visarem proteger a saúde do paciente, mas não evitam a morte. Já a mulher de vida fácil, arrolada entre as profissionais mais antigas do mundo, demonstra sua habilidade e acaba sendo aplaudida. Mas o Comendador – o prodigioso surdo-mudo de dois corações, Mendacium Mentax Júnior – este ganha uma fortuna com suas mentiras semióticas.
Mas acontece que a ocorrência gerada pela estrambótica compra das mentiras não fica impune, pois o imbróglio é levado às barras da justiça e acaba objeto do tribunal de jure. O Comprador de Mentiras é considerado estelionatário, na verdade um ladrão, embora quem roube de ladrão, tenha cem anos de perdão. Então, em juízo, mediante toda a parafernália jurídica, de acusação, defesa e jurados, todos os vendedores de mentiras são levados a depor, as razões de suas ações e porque demandaram a justiça. Cada qual faz sua defesa particular, o inquiridor é o próprio comprador, investido de “advogado do diabo”. E fica decidido, em juízo, que o maior mentiroso do mundo é o Comendador Mendacium Mentax Júnior, surdo-mudo, com dois corações.  
Ora, ocorre  que todos agora querem suas mentiras de volta. E agora? Quem é o culpado, responsável pela “compra”  tempestiva das mentiras da comunidade? Claro, o monstro inaudito chamado Comprador de Mentiras. Mas o sujeito desaparece repentinamente. E agora a justiça tem o dever de prender o culpado. Dever a cargo do Dr. Delegado Feitosa, que para solucionar tão inusitado caso, recorre nada menos que à filosofia do grande Santo Agostinho, para enquadrar o criminoso e fazer justiça. E as “mentiras”, já adquiridas pelo Comprador, serão devolvidas?
Então surge o fantástico, o extraordinário. O Delegado persegue o marginal, que se transforma num monstro, em meio a uma armadilha repleta  de robôs e monstros, todos monitorados por computadores de última geração. Horror. Fantasia. Ficção científica.
Toda a trama, seu desenrolar  não se restringe a mostrar o imbróglio, o autor o faz, mas cada passo embasado em doutrina, em teoria, conceitos, justificações, em meio às arguições. E ai reside o vigor intelectual do escritor, que não nos conta apenas um conto, uma novela, ou um simples romance –  leva o leitor a fazer reflexões. Dai o fundamento, por assim dizer, da “alegoria”, da “sátira”, da “parábola”, que é expressar um ensino, o “ethos” propedêutico. Eis, em síntese, a grande tecedura de “O Comprador de Mentiras”.
Ousemos o outro lado da moeda literária do livro de Evaldo Feitosa: sua exegese.
O que o autor quer dizer com essa alegoria? Recordemos, a propósito, que a alegoria é uma representação de um objeto (ou situação) para significar outro (ou situação). Vejamos, por exemplo, a alegoria de “O Auto da Compadecida”, de Ariano Suassuna. É toda uma encenação para homenagear Nossa Senhora, como mediadora da salvação dos seres humanos, contada à maneira da tradição nordestina, brasileira e cristianizada. A “Revolução dos Bichos”, de Jorge Orwell, também a representação de uma realidade que disfarça na verdade outra, refere-se a  outra realidade., no caso  a Revolução Russa, a implantação da ideologia comunista. Poderíamos citar outras. “A Cidade do Sol”, de Campanella, como seria o mundo sob nova ordem, não material, mas espiritualizada; a “Utopia”, de Thomas More, proposta de um regime solidarista cristão. Os gêneros literários considerados epopeias, como as de Homero (Ilíadas e Odisseia), também a “Metamorfose” de Ovídio e “Eneida”, de Virgílio, se examinadas com mais profundidade, talvez encontremos em seus mitos e metáforas, muita coisa de raiz alegórica. isto é, fatos significando outros fatos. Ora, estudiosos e eruditos já consideram hoje a mitologia como fonte primeira do próprio cristianismo.  Os mitos, portanto, podem expressar alegorias, simbolismos.
Em “O Comprador de Mentiras” todo o cerne da alegoria repousa na mentira. A mentira é o centro do universo. Esta “mentira” que tem uma enciclopédia de sinônimos (ver Dicionário de Sinônimos da Editora Porto, Portugal : aleive, burla, falsidade, ludibrio, endrômina, lorota, mendacidade, etc.) Na alegoria, o autor transcendentaliza a mentira nas teses de Santo Agostinho: “Sobre a Mentira” – De Mendacio, ano de 395; e “Contra a Mentira” – Contra Mendacium, 420. Nestes dois tratados, Agostinho esgota o assunto.
No livro, as teorias de Agostinho são contextualizadas no desenrolar do jure e quem as expende, de cátedra, é o Dr. Delegado Feitosa (homônimo do autor?).  E à medida que ocorre o jure, com toda sua processualística, o Delegado vai dando aula sobre a mentira com base no bispo de Hipona.
Não é difícil encontrar similitude entre o imbróglio alegórico e realidade atual, inclusive a que o País vive no momento. É a mentira reinando soberana em todas as camadas das sociedade. Inclusive no âmbito do judiciário ou da constituição e dação da justiça. Haja vista que, no final, desvenda-se que o grande comprador de mentiras é o próprio juiz da cidade, Dr. Rivail.  Desse modo, a figura da alegoria contida no  romance/novela do autor pode significar uma grande metáfora “in extensis”, isto é, que uma situação fictícia, de caráter enganoso, toma lugar à verdadeira realidade, talvez imitativa daquela simbologia já preconizada por Platão, quatro século antes de Cristo, em sua célebre “Alegoria da Caverna”.
Quem sabe nós, que nos arrogamos tanto de construtores da modernidade, não estamos sendo conspicuamente enganados quando queremos distinguir, entre as sombras de nossas indigência espiritual, os fatos que justificam a realidade meridiana do sol?
Era o que queríamos dizer sobre esse tratado simbólico de uma fantasia anunciada do escritor e jurista Edvaldo Feitosa, que, de grado e em boa hora, nos dá a lume.
                                                                            Bxb, 3.12.15

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Assembleia de encerramento das atividades

Senhores Acadêmicos

Relembro aos ilustres confrades que a Academia de Letras de Brasília
realizará na quinta-feira, dia 26 de novembro, às 12 horas, no Hotel Nacional, assembleia de encerramento das atividades acadêmicas do ano fluente.

O confrade Evaldo Feitosa será o Orador Oficial. 

Cordialmente

José Carlos Gentili

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Posse de José Carlos Gentili na Academia das Ciências de Lisboa

José Carlos Gentili
José Carlos Gentili em discurso na Academia de Ciências de Lisboa

Convidados

A mesa diretora

Palestra acerca da obra A Infernização do Hífen

sexta-feira, 30 de outubro de 2015

Posse de João Batista de Sousa

Governador Rodrigo Rollemberg, João Batista de Sousa e Amador de Arimathéa
Clique nos links abaixo para ver as matérias na íntegra:

UnB HUB
Jornal de Brasília

Posse de João Batista de Sousa

João Batista de Sousa
Governador Rodrigo Rollemberg e João Batista de Sousa
Governador Rodrigo Rollemberg
Familiares do acadêmico, Rodrigo Rollemberg, João Batista de Sousa e Amador de Arimathéa
Rodrigo Rollemberg, Innocêncio Viegas, Romildo Teixeira de Azevedo, Evaldo Feitosa e Ena Galvão

sábado, 24 de outubro de 2015

Arnaldo Niskier: Mais literatura nas provas

www.correiobraziliense.com.br
Para ler o artigo, clique sobre ele com o CTRL pressionado, para abrir a imagem em outra aba.

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Um amigo é mais que um brilhante

por Innocêncio Viégas

            Dia 3 de outubro de 2015, completei os meus 78 anos bem vividos e já estou com os pés na estrada rumo aos 79, e, se a estrada não acabar, seguirei firme o rumo do vento por todas as curvas do mundo.
            Nesse dia, o meu galo Cigano acordou o mundo com o seu canto roquenho, anunciando o meu aniversário. Não houve festa. A Bel combinou fazermos um lanche à tardezinha e, como para aniversário, não se convida ninguém, pois o convidado, normalmente se acha obrigado a trazer um presente, então ficamos preparados para receber a todos que chegassem, independentemente de convite.
            Durante todo o dia recebi parabéns da família, da minha Irmã Antônia, lá do Rio de Janeiro, de velhos Irmãos de São Luis – MA, o Amaral e cunhada Mariazinha, o Davi e Vanda, a minha centenária madrinha Djanira, e o Fróes e Dona Arlete. Do Paraná, o Irmão Osmar Krelling e cunhada Irene, das Alterosas, o Eminente Irmão Amintas, ex-Grão Mestre de MG. Também do Rio de Janeiro, o Soberano Grande Primaz, Irmão Nei Inocêncio e cunhada Iva. Parabéns por telefone, e-mails e mensagens de amigos, parentes e da quase totalidade de Irmãos.
            De início passei a anotar os nomes, depois perdi o rumo.       
            À tarde chegaram os filhos, os netos, e, como não poderia ser diferente, dois Irmãos e amigos representando o povo da Sublime Ordem. O Fagundes de Oliveira e a cunhada Heronisa, e o Zezinho e a cunhada Bia. Nos abraçamos festivamente e fomos para o varandão da churrasqueira.
            A tarde logo se despedia e a noite alegre dava o ar da graça. Nos deliciamos com os quitutes preparados pela Bel. Comemos, bebemos – com moderação – conversamos, contamos “causos” e recordamos os bons momentos vividos.
            Agradecemos ao bom Deus pela nossa união fraternal.
            Ganhei de presente, além da presença de todos, livros, vinhos e um conjunto de garfos e facas de prata, para saborear queijos. Também ganhei lindas camisas e um par de alpercatas para os bons passeios, e o mais importante dos presentes, o carinho e a amizade de todos vocês que me brindaram com a bondade de um coração de ouro.
            Cantamos o “Parabéns”, cortamos o bolo, servi o primeiro pedaço para a Bel. Contrariando a “Tiabete”, comi um gordo pedaço do meu bolo, um verdadeiro manjar dos céus.
            Foi um dia maravilhoso, e, para coroar esse fraternal encontro, o Irmão e Poeta Fagundes de Oliveira fechou o sarau com uma quadrinha sublime de sua lavra fértil e inesgotável:

            “Ao Mestre Viégas:
            Hoje é teu aniversário,
            Saúde, paz e harmonia;      
            É sublime o relicário
            Que amizade propicia.”
            Obrigado meus amigos e meus Irmãos. É por isso que lhes afirmo: Um amigo é mais que um brilhante. Um amigo é para sempre.
            Gracias a la vida, e que o bom Deus nos ilumine e guarde, sempre!


sexta-feira, 16 de outubro de 2015

quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Convite para posse de João Batista de Sousa


João Batista de Sousa assumirá, na Academia de Letras de Brasília, a titularidade da Cadeira XXXVI, patroneada por Mário de Andrade.
A solenidade de posse, a ser presidida pelo Vice-Presidente, Romildo Teixeira de Azevedo, está marcada para o dia 29 de outubro, quinta-feira, às dezenove horas e trinta minutos, na Embaixada de Portugal, no SES, Quadra 801, Av. Das Nações.
O acadêmico Fagundes de Oliveira conduzirá o cerimonial.
A acadêmica Ena Galvão, em nome da Academia, fará a saudação oficial.
A sua presença será reconhecida como prestígio a esta Casa de Letras e elevada consideração ao novo acadêmico.
 
Trajes                                                       
Para  acadêmicos:  
Masculino – smoking, c/estola
Feminino – longo,  c/estola
 
Iran de Lima
Diretor-Secretário
 

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Circular

A Academia de Letras de Brasília, em nome de seu Presidente, o acadêmico José Carlos Gentili, convida a todos os confrades e confreiras para a sessão magna em homenagem ao saudoso Henriques do Cerro Azul.
A solenidade será realizada no auditório JK, da Procuradoria Geral da República, dia 16 de outubro, sexta-feira, no horário das 19 horas e será presidida por Gustavo Dourado, Presidente da Academia Taguatinguense de Letras.
 
Iran de Lima
Diretor-Secretário

Arnaldo Niskier: acadêmico honorário

www.correiobraziliense.com.br

Discurso de posse

Discurso de posse como Acadêmico Honorário na Academia de Letras de Brasília do professor Arnaldo Niskier, da Academia Brasileira de Letras.

Leia aqui.


sábado, 3 de outubro de 2015

Acadêmico Honorário: DEREK WALCOTT - Prêmio Nobel de Literatura

Prezados acadêmicos.

A Academia de Letras de Brasília tem, agora, como Acadêmico Honorário, o escritor
DEREK WALCOTT , detentor de Prêmio Nobel de Literatura. 

Nosso estimado confrade Sérgio Couri, ora Embaixador do Brasil em Santa Lúcia, conduziu, em companhia do acadêmico Marco Coiatelli, a solenidade de entrega da comenda, realizada na Embaixada do Brasil, naquele país. 

As fotos demonstram a importância e beleza do evento.

Aos dedicados acadêmicos Sérgio Couri e Marco Coiatelli os nossos agradecimentos
pela condução desta outorga em Santa Lúcia, oportunidade em que se roga transmitir à Embaixatriz  Marília Couri as nossas manifestações de apreço e elevada consideração.

Cordialmente

José Carlos Gentili 
Presidente

---






sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Circular: Arnaldo Niskier

Arnaldo Niskier receberá da Academia de Letras de Brasília, o Diploma de Acadêmico Honorário a ser conferido em solenidade a realizar-se no Salão Vermelho do Hotel Nacional, no dia oito de outubro, às 19 horas.
O acadêmico Fagundes de Oliveira conduzirá o cerimonial.
O acadêmico Adirson Vasconcelos, em nome da Academia, fará a saudação oficial.
A sua presença será reconhecida como prestígio a esta Casa de Letras e elevada consideração ao ilustre membro da Academia Brasileira de Letras.
Após a solenidade, será realizado um jantar por adesão.
                                                                                                                                        
Trajes                                                                     R.S.V.P.  Fone 8465 9652
Para  acadêmicos:  
Masculino – passeio completo
Feminino – o adequado para a ocasião
Iran de Lima
Diretor-Secretário